SOUNDX

Os Álbuns Mais Antecipados de 2023
/

Os Álbuns Mais Antecipados de 2023

Novos álbuns de Caroline Polachek, Kelela, Lana Del Rey, Miley Cyrus, Paramore, Sam Smith, e 100 gecs.
POR SoundX Staff
janeiro 23, 2023

New Year, New Mil… Music!

Com a chegada de um novo ano e de promessas que nunca serão cumpridas, um grande conjunto de novas músicas também aparece no horizonte. Enquanto alguns álbuns parecem ter sido anunciados há anos e suas datas de lançamentos nunca chegam, outros aparecem de repente e surpreendem. Bem como, há aqueles que não sabemos se realmente chegarão a ver a luz do dia nos próximos meses, mas temos a esperança de que sim. Essa é a lista dos quase 50 álbuns mais antecipados de 2023.

100 gecs, 10,0000 gecs (17 de março)

Há 4 anos, 100 Gecs lançava seu debut 1000 gecs, um projeto que não só chacoalhou a movimento underground na época, como também influenciou muitos artistas no gênero hyperpop. No final de 2021, eles voltaram com o single “mememe” e a promessa de um novo álbum, poucos meses depois nos deram mais um gostinho do LP com a extremamente divertida “Doritos & Fritos”, assim como o título do projeto: 10,000 gecs. E, finalmente, depois de alguns atrasos, a banda anunciou a data oficial para o lançamento no dia 17 de março deste ano. Agora nos resta apenas esperar para ver de quais maneiras a dupla irá nos surpreender e bagunçar nossas cabeças. — Matheus Henrique

Ana Frango Elétrico, TBA

Após encerrar a década de 2010 com um dos projetos mais importantes e definitivos da chamada pós-MPB, Ana Frango Elétrico, que se viu envolvide na produção de diversos álbuns recentes, como na estreia das bandas Bala Desejo e Sophia Chablau e Uma Enorme Perda de Tempo, além do provável novo clássico A Pegada Agora É Essa (The Sway Now), do multi-instrumentista Antônio Neves, prepara, então, o terreno para o sucessor de Little Electric Chicken Heart, obra que catapultou a jovem estrela brasileira para todo o cenário alternativo nacional e internacional. — Matheus José

Ava Max, Diamonds and Dancefloors (27 de Janeiro)

Em 2020, Ava Max lançava seu disco de estreia, um registro que, apesar de contar com músicas cativantes, não conseguia  mostrar a norte-americana como algo a mais do que uma artista genérica que pouco se sobressaia em comparação a outros nomes do pop atual. Entretanto, com Diamonds & Dancefloors, ela parece estar trazendo algo mais interessante, singles como “Million Dollar Baby”, “Dancing’s Done” e “Maybe You’re The Problem” são de uma qualidade surpreendente, especialmente se comparado à seus lançamentos anteriores, causando com que as expectativas para o sucessor de Heaven & Hell estejam altas. O segundo álbum da cantora será lançado dia 27 de janeiro. — Davi Bittencourt

Black Country, New Road, TBA

2022 foi um ano e tanto para Black Country, New Road: por um lado, o lançamento de Ants From Up There foi um enorme sucesso, que catapultou a banda a novos níveis de sucesso e aclamação, tornando-os referência dentro da cena independente e alternativa britânica. Por outro, o vocalista, compositor, e principal letrista do grupo, Isaac Woods, decidiu deixá-los por motivos referentes a sua saúde mental. Para muitos, que viam Isaac como o motor criativo do conjunto, uma perda assim seria irremediável, e o que prometia ser o mais novo fenômeno da música alternativa britânica teria se acabado. Felizmente, os membros restantes do BCNR seguiram em frente, compondo novas músicas, polindo o seu som, e tocando para o Reino Unido inteiro, em incessíveis turnês, o resultado é uma banda ainda mais competente, de repertório novo, ao mesmo nível (se não melhor) do que o antigo. Tudo indica que o terceiro álbum do Black Country, New Road virá logo e não desapontará. — Antônio Marques

boygenius, the record (31 de Março)

Nesta cálida quarta-feira, dia 18 de janeiro, a banda boygenius lançou, de uma só vez, os três primeiros singles do seu segundo álbum de estúdio, intitulado the record. O disco, que deve chegar no último dia de março, é o primeiro de Julien, Lucy e Phoebe juntas em quase 5 anos. Nesse meio tempo, muita coisa aconteceu: Dacus confeccionou dois primorosos discos — Historian tem tanta capacidade de contar histórias e criar impacto com o jogo de guitarras, e Home Video também o faz com sua sonoridade nostálgica —, Bridgers conseguiu suas primeiras indicações ao Grammy como frutos do acachapante Punisher — ainda que tenha perdido em suas categorias por motivos de força maior, digo, Fiona Apple — e Baker aprimorou ainda mais o sentimentalismo do seu trabalho com Turn Out The Light. Os anos passaram, elas amadureceram, e the record promete ser um registro de referência para o indie-rock nessa nova década. — Kaique Veloso

Caroline Polachek, Desire, I Want To Turn Into You (14 de fevereiro)

A excelência de Caroline Polachek, provada em 2019 quando a artista lançou o seu primeiro álbum de estúdio, Pang, pareceu ganhar novos rumos desde então. Nos últimos anos, preocupada em elevar ainda mais o impacto pelo qual ficou conhecida, a vimos lançar algumas de suas melhores músicas. Os destaques dessas, na verdade, eram o alicerce de Desire, I Want To Turn Into You, disco que será lançado em 14 de fevereiro e que, calorosamente, conta com as já disponibilizadas “Bunny Is a Rider”, “Billions”, “Sunset” e “Welcome to My Island”. — Matheus José

Complete Mountain Almanac, Complete Mountain Almanac (27 de Janeiro)

Complete Mountain Almanac é o novo projecto da norueguesa Rebekka Karijord e da americana Jessica Dessner, irmã de Aaron e Bryce Dessner da banda The National. Este será um ano ocupado para a família Dessner, haja vista os rumores de um novo disco da banda após 4 anos de hiato e colaborações de quarentena com Taylor Swift. Complete Mountain Almanac chega em 27 de janeiro pela Bella Union. — Kaique Veloso

Danny Brown, Quarenta (TBA)

Comemorando seus 40 anos de idade, Danny Brown anunciou Quaranta, um novo capítulo em sua sempre mutante carreira. Desde o lançamento de uknowwhatimsayin¿ em 2019, o rapper de Detroit parece ter dedicado um tempo para explorar novas oportunidades artísticas, como uma colaboração inesperada com a banda de nu-metal Korn, e shows de stand-up comedy. Quaranta vê Danny retornando ao estúdio para forjar uma obra completa, da forma que melhor sabe fazer. Um álbum de hip-hop em homenagem à meia idade, sem dúvidas é o tipo de conceito esperado de um artista como Danny Brown, e acredito que há muito o que esperar nesse novo disco seu. —Antônio Marques

Death Grips, TBA

O último registro lançado por Death Grips foi em 2018, chamado Year of the Snitch. Desde lá, houve um silêncio nunca visto com relação a material inédito — esse é o maior hiato que o grupo já fez em sua carreira. No entanto, a volta do grupo para os palcos monta a ideia de que eles estão de volta em atividade, bem como, provavelmente, retornaram ao estúdio. Esperança, porém, é o que temos. — Leonardo Frederico

Ellie Goulding, Higher Than Heaven (24 de Março)

Após seu concerto no Rock In Rio Lisboa, em junho de 2022, Ellie Goulding anunciou que estava trabalhando em novas músicas e logo, no mês seguinte, lançou a canção “Easy Lover”, que é o carro-chefe de seu novo disco, intitulado Higher Than Heaven, que apesar de ser uma música decente, obteve um baixo desempenho comercial. Além disso, após alguns meses, foram lançadas “All By Myself” e “Let It Die”, que estarão presentes no disco juntos com o primeiro single. No lançamento de “Let It Die” em 19 de outubro, Goulding anunciou a data de estreia de seu álbum, que é esperado para ser lançado em 24 de março. A lista de faixas já foi divulgada, o disco contará com 11 faixas na versão padrão, e mais 5 faixas na versão deluxe. — Lucas Lima

Fever Ray, Radical Romantics (10 de março)

Depois de 6 anos do seu último álbum, Fever Ray parece estar com tudo novamente, e traz experimentação — novamente — nesse novo disco. Sua participação no remix de “Country Creatures”, em 2019, foi essencial para expandir sua música para uma nova audiência que destrinchou os seus dois primeiros álbuns. Com esse novo, Fever Ray finalmente tem a chance de se introduzir para uma nova audiência e conquistar uma nova geração para si. — Kaue Santana

FKA Twigs, TBA

Quando o CAPRISONGS foi lançado no ano passado, FKA Twigs já tinha esclarecido que seria apenas uma mixtape, ou seja, um projeto à parte. Contudo, não esperávamos que o seu álbum viria tão em breve. Confirmado pelo presidente de sua gravadora, o disco aparenta sair no primeiro semestre de 2023 — visto que FKA tem datas marcadas em festivais para agosto, por exemplo. Só podemos aguardar mais informações, mas fica a pergunta: qual é a direção que ela vai tomar? — Kaue Santana

Gorillaz, Cracker Island (24 de Fevereiro)

Apesar da pandemia ter preocupado o mundo em 2020, Damon Albarn e Jamie Hewlett não se deixaram abalar, e tomaram para si mesmos a missão de trazer um conforto mais que necessário para os fãs de Gorillaz, já que no decorrer do ano, entre os meses de janeiro e outubro, lançaram um total de 7 singles, esses que acabaram aparecendo no último projeto da banda, Song Machine, Season One: Strange Timez. E agora, após o lançamento de 4 novos singles, a banda está de volta com seu novo álbum Cracker Island, este que conta com participações de Thundercat, Stevie Nicks, Bad Bunny, Beck, Tame Impala, e deve também contar com o paulista MC Bin Laden em uma futura edição deluxe. — Matheus Henrique 

Gracie Abrams, Good Riddance (24 de Fevereiro)

Sempre envolvida nos debates dos odiados nepobabys, Gracie Abrams está prestes a dar um grande passo em sua carreira: seu primeiro álbum de estúdio. Com produção do Aaron Dessner (folklore, The National), o álbum está causando um burburinho entre fãs da banda e no mundo alternativo também. O primeiro single, “Where do we go now?”, apesar de pouco barulho, parece bem competente e soa refrescante. Resta saber se ela vai conseguir cumprir as expectativas. — Kaue Santana

Grimes, TBA

Totalmente indescritível, Grimes é uma artista particularmente única na indústria. Mesmo com sua abordagem não-convencional na música eletrônica, seus vocais agudos e frágeis conquistaram a atenção do público geral em Visions e, mais tarde, em Art Angels. Apesar da recepção mista de seu último registro Miss Anthropocene, Grimes ainda se configura como um dos nomes mais relevantes da indústria atualmente — quem mais poderia causar tanto ti-ti-ti com uma foto planejada lendo O Manifesto Comunista?. O próximo álbum deve se chamar BOOK 1 e contar com as já lançadas faixas “Player of Games” e “Shinigami Eyes”. — Kaique Veloso

Hannah Diamond, TBA

A cantora de “Hi” levou longos 6 anos até que lançasse seu álbum de estreia. Embora tenha tido recepção mista da crítica especializada, Reflections mostrou que o hyperpop também flutua sobre águas mais calmas que exploram o silêncio e a beleza do sossego. Hannah Diamond é esperada para lançar o sucessor de Reflections ainda esse ano, mas sem uma confirmação oficial. Por enquanto, temos apenas a faixa “Staring at the Ceiling” como vislumbre de uma possível nova era. — Kaique Veloso

Ice Spice, Like…? (20 de janeiro):

Ice Spice tornou-se na nova amada personalidade da internet. Em todas as mídias sociais é possível encontrar referências sobre a rapper, graças ao seu carisma e estilo livre que impõe nos três últimos singles que lançou: “Munch (Feelin’ U)”, “Bikini Bottom” e “In Ha Mood”. Em dezembro, no dia de natal, anunciou oficialmente que um projeto está a caminho e o público não podia estar mais ansioso para ver o que a rapper americana é capaz de fazer. — Gerson Monteiro

Janelle Monae, TBA

Retornando a mídia depois de praticamente dois anos aparecendo apenas em posts do Instagram, Janelle parece mais pronta que nunca para lançar seu novo projeto. Obviamente, o mesmo já começa a ser motivo de especulação: será o capítulo final da saga The Archandroid? será ambientado no universo de Dirty Computer? Independente disso, sabemos que mais uma vez, a artista vai deixar o seu trabalho ser inundado por referências pop e questões sociais, do jeitinho que a gente sempre gostou. — Kaue Santana

Kelela, Raven (10 de Fevereiro)

No segundo semestre de 2018, Kelela entrou em um hiato indeterminado, tanto da sua carreira musical quanto da sua própria imagem pessoal. Com o passar dos anos, a saudade e os ânimos pelo seu retorno se afloraram. Em diferentes abordagens da música eletrônica, R&B e ambient, sua musicalidade e personalidade artística únicas estavam imprimidas em poucos trabalhos, como Hallucinogen, de 2015, e Take Me Apart, de 2017, seu único álbum até então. Depois de tanta espera, sua aguardada sequência, Raven, será lançada no começo do mês de fevereiro, e já conta com quatro músicas disponibilizadas durante os últimos meses: “Washed Away”, “Happy Ending”, “On The Run” e “Contact”. — Felipe Ferreira

Kimbra, A Reckoning (27 de Janeiro)

Kimbra é uma artista curiosa. Seus projetos solos nunca engajaram o suficiente para fazer dela uma estrela pop mundial — o que é uma pena, diga-se de passagem — mas ela tem um dos maiores hits dos anos 2010 nas costas. Após o fim de seu contrato com a gravadora, um sumiço completo e a completa indecisão que tomou conta da carreira da artista nos últimos 6 anos, ela retorna com dois singles ótimos — “replay!” é a minha favorita — e está prontíssima para iniciar uma fase independente na sua carreira. — Kaue Santana

Kylie Minogue, TBA (1° semestre)

Em 8 de agosto de 2022, Alistair Norbury, presidente da gravadora de Kylie Minogue, a BMG, confirmou que o décimo sexto LP da cantora australiana sairá na primeira metade deste ano. O álbum será o sucessor do Disco, lançado em 2020, e é esperado que a artista continue na sonoridade apresentada no último trabalho, no caso, a música disco, da qual Kylie é uma das veteranas nesse gênero e sempre que se propõe a fazer esse tipo de música, sempre é bem recebida pelo público. Até o momento desta publicação não foi revelado nome, data, capa ou alguma música desse futuro projeto. — Lucas Lima

Lana Del Rey, Did you know that there's a tunnel under Ocean Blvd (10 de Março) (24 de Março)

Com Norman Fucking Rockwell!, de 2019, Lana Del Rey se consagrou como uma das maiores compositoras da atualidade — senão a maior. Embora seus dois sucessores, Chemtrails Over The Country Club e Blue Bannisters, ambos de 2021, não tenham segurado o caráter de obra-prima, ainda assim permitiram que Del Rey perpetuasse ainda mais sua visão do que América foi, está sendo e poderá ser. Seu novo álbum, Did you know that there’s a tunnel under Ocean Blvd foi produzido por Jack Antonoff, Drew Erickson e Zach Dawes, chega em março e sua faixa-título, lançada como lead single do álbum, é uma balada sonhadora sobre imagens cotidianas inspirada por Harry Nilsson e Eagles. — Leonardo Frederico

Lewis Capaldi, Broken By Desire To Be Heavenly Sent (19 de Maio)

Lewis Capaldi é uma personalidade que já tem inúmeros sucessos comerciais, tal como o grande Someone You Loved que contém mais de 2 bilhões de streams no Spotify. Nos recentes singles “Forget Me” e “Pointless”, o artista explora temas de sofrimento e desgostos amorosos que o público em geral está acostumado a ouvir dele. No entanto, parece que a maneira do compositor escocês de expressar sentimentos evoluiu, tanto a nível vocal como de produção, o que pode significar que grandes coisas podem estar por vir. — Gerson Monteiro

Lil Uzi Vert, P!nk Tape (10 de Fevereiro)

Lil Uzi Vert é um fenômeno na comunidade do rap. Desde o êxito “XO Tour Lif3” que o artista americano tem recebido grande atenção tanto do público como da crítica, sendo o seu último álbum Eternal Atake um exemplo disso. O primeiro single “Just Wanna Rock” para o mixtape P!nk Tape mostra o rapper a continuar a explorar produções mais futuristas. A música já é um sucesso em várias plataformas como o TikTok. O espírito livre do cantor e a sua habilidade de não se conformar com as trends genéricas do rap atual fazem com que este seja um dos projetos mais antecipados do rap este ano. — Gerson Monteiro

LOONA, The Origin Album [0] (Adiado)

The Origin Album [0] foi inicialmente anunciado para janeiro de 2023. No entanto, devido às confusões causadas pelo afastamento da integrante Chuu, sob acusações de maus-tratos com funcionários, o disco precisou ser adiado indefinidamente. LOONA é um dos grupos de k-pop com maior apelo fora da Coreia. No EP beauty&thebeat, do subgrupo yyxy formado por três das integrantes e a recém-desligada Chuu, as cantoras de “Dance On My Own” contaram, até mesmo, com a participação de Grimes em uma de suas músicas. Espera-se que o novo disco das artistas em quase 4 anos atenda às expectativas geradas por seus projetos paralelos e EPs, como Flip That e [&]. — Kaique Veloso 

Mac DeMarco, Five Easy Hot Dogs (20 de Janeiro)

Five Easy Hot Dogs é o primeiro álbum do cantor de slacker rock e jizz jazz Mac DeMarco desde Here Comes the Cowboy, de 2019, um ponto fora da curva do bom material que ele vinha entregando desde sua estreia, 2, de 2012. Para esse álbum, DeMarco construiu peças instrumentais enquanto estava na estrada e cada faixa de seu novo álbum recebe o nome da cidade em que foi concebida. Segundo ele, não parou de dirigir e viajar até que estivesse com o registro finalizado. — Leonardo Frederico

Miley Cyrus, Endless Summer Vacation (10 de Março)

Com o lançamento de Plastic Hearts, em 2020, Miley Cyrus trazia seu melhor trabalho artístico até aquele momento, no qual, após diversas mudanças sonoras em sua carreira, finalmente a artista havia se encontrado em um gênero o qual combinasse com ela: o rock. Vindo depois de seu disco mais excelente, há grandes expectativas para o que ela irá trazer para Endless Summer Vacation, e espera-se que nele a cantora consiga manter um nível de qualidade similar ao mostrado em seu disco anterior. O oitavo álbum de estúdio de Miley Cyrus será lançado dia 10 de março. — Davi Bittencourt

Metallica, 72 Seasons (14 de Abril)

Metallica é um dos grupos mais prestigiados e emblemáticos do rock. Dedicados em continuar a aumentar a sua vasta discografia, a banda anunciou o álbum 72 Seasons no final do ano passado, fazendo deste o 12º disco da carreira deles, e o primeiro em seis anos. O primeiro single do trabalho inédito, “Lux Æterna”, é uma alusão ao thrash metal que o grupo desenvolveu no álbum de estreia, Kill’ Em All, com uma energia frenética e instrumentação clássica e intensa do speed metal dos anos 80. É possível que estejamos na presença do melhor álbum de Metallica desde a década passada. — Gerson Monteiro

Olivia Rodrigo, TBA

Ninguém, nos últimos anos, viu uma ascensão tão complexa, estável e intensa quanto a de Olivia Rodrigo. A ex-estrela do Disney Channel lançou seu primeiro single, “drivers license”, há aproximadamente dois anos e rapidamente se tornou um sucesso. Seu álbum, SOUR, bateu recordes absurdos e, até hoje, figura entre os mais ouvidos. Ainda que não tenha anunciado oficialmente seu próximo trabalho, Rodrigo vem provocando em suas redes sociais novas músicas nos últimos tempos — incluindo um vídeo com seu produtor, Dan Nigro, com um pequeno trecho de uma nova faixa —, insinuando que seu próximo passo está no horizonte. — Leonardo Frederico

Pabllo Vittar, TBA (Fevereiro)

Em 2021, Pabllo Vittar lançava Batidão Tropical, um dos melhores projetos já lançados pela drag queen, no qual, a artista se voltava totalmente às suas origens nordestinas e fazia uma ótima homenagem ao tecnobrega ao trazer releituras fascinantes de clássicos do gênero. Para o sucessor de seu terceiro álbum de estúdio, a cantora parece estar trazendo algo de uma excelência tão alta quanto a de seu antecessor com base nos dois singles lançados. Ambas as faixas de trabalho, especialmente “Descontrolada”, são fascinantes tentativas de mesclar a música house com o funk e espera-se que o restante do álbum consiga manter a alta qualidade das canções lançadas avulsamente. O novo registro de Pabllo estará disponível nas plataformas de streaming em fevereiro, com o dia de lançamento a ser anunciado. — Davi Bittencourt

Paramore, This Is Why (10 de Fevereiro)

A cada novo lançamento, Paramore mostra que, embora tenham ganhado notoriedade na cena emo dos anos 2000, eles sabem se reinventar sem perder sua essência. Dando sequência a After Laughter de 2017, após uma pausa que rendeu dois discos solos a vocalista Hayley Williams, eles voltam com um LP que leva o mesmo título de seu lead single: This Is Why, este sendo o sexto álbum da banda, contando com 10 faixas já anunciadas, e sendo o primeiro na história do grupo em que eles mantém a mesma formação do álbum anterior. Em seus últimos projetos, Paramore têm mostrado que tem como referência a cena indie, alternativa e experimental, o que não é diferente nesse álbum, que já foi anunciado ter como principal inspiração a banda inglesa Bloc Party. Além disso, esperamos muita ênfase nas letras que giram em torno de reflexões sobre os últimos anos que a humanidade tem enfrentado – pandemia, isolamento, poder da mídia – como mostram os 3 singles lançados até o momento. O álbum será lançado pela Atlantic Records no dia 10 de fevereiro.  — Matheus Henrique

PJ Harvey, TBA

Em 2022, PJ Harvey em uma entrevista à revista Rolling Stone, compartilhou que seu décimo álbum de estúdio será lançado em 2023, e que está muito satisfeita com o resultado, que demorou bastante tempo para compor e está confiante com a obra. Em fevereiro de 2022, Harvey compartilhou três fotos em seu estúdio gravando seu novo álbum. Segundo a própria, se inspirou em trilhas sonoras de filmes, como as de Jonny Greenwood, Hildur Guðnadóttir e Ryiuchi Sakamoto, e também em alguns músicos solo como Bob Dylan e Thom Yorke. Por enquanto, ainda não foi sinalizado se o projeto está finalizado, ainda não sabe muito sobre o futuro álbum da artista inglesa, que será o sucessor do disco The Hope Six Demolition Project, lançado em 2016. — Lucas Lima

Raye, My 21st Century Blues (3 de Fevereiro)

Após uma longa batalha contra sua antiga gravadora para lançar seu primeiro álbum de estúdio, Rachel Keen, conhecida como Raye, lançou-se como artista independente e conseguiu encabeçar seu primeiro disco, intitulado My 21st Century BluesO álbum conta com 15 faixas, entre elas o viral “Escapism”, parceria com 070 Snake, que alcançou o topo da parada de singles do Reino Unido, sendo sua primeira música a atingir o topo, e entrou em diversas paradas musicais pelo mundo, se tornando o maior sucesso da artista. My 21st Century Blues está previsto para ser lançado em 3 de fevereiro, e está sendo criada muitas expectativas por conta do hype de “Escapism”, Raye está lançando esse disco em um ótimo momento. — Lucas Lima

Rebecca Black, Let Her Burn (9 de Fevereiro):

Rebecca Black obteve fama mundial com seus tenros 14 anos ainda que pelos maus motivos. Em 2011, a Internet descobriu sua canção despretensiosa “Friday” e, ali, transformou-a num saco de pancadas como se sua música fosse o ato mais violento cometido na indústria fonográfica. A realidade é que muito desse ódio possui bases na misoginia, e Rebecca foi vítima de uma grande injustiça. Enfim, 12 anos após esse evento traumático, Black anuncia seu primeiro álbum de estúdio, que se segue após inúmeros singles — incluindo um remix hyperpop de “Friday” — e um EP. Let Her Burn deve chegar quente aos ouvidos da Internet. — Kaique Veloso

Sam Smith, Gloria (20 de Janeiro)

Há quase uma década, Sam Smith despontou como uma das vozes britânicas mais bem-sucedidas da indústria. “I’m Not The Only One” e “Stay With Me” foram dois dos maiores sucessos de 2014. Agora, prestes a lançar seu quarto álbum de estúdio, Gloria, a melancolia tão presente em sua discografia pode dar mais espaço para as pistas de dança. Pelo menos, é o que os singles “Unholy” e “Gimme” dão a entender, duas canções pop cheias de efervescência. O registro sucede “Love Goes” (2020), disco que contém os hits “Dancing With A Stranger” e “How Do You Sleep?”, que já captavam um pouco do que Sam vem fazendo em sua era atual. Gloria também promete ter um tom bastante motivador. A escolha do título não é à toa, representa a força que Sam Smith encontrou em si. — Lucas Souza

Selena Gomez, TBA

Selena Gomez já está entre nós há um longo tempo. Barney e Seus Amigos, Selena Gomez & The Scene, Os Feiticeiros de Waverly Place e, mais recentemente, a aclamada série Only Murders in the Building são alguns de seus principais projetos. Gomez confirmou há pouco o que seus fãs suspeitavam e ansiavam: seu terceiro (ou quarto) álbum de estúdio será lançado neste ano. Seus predecessores  Rare e Revival tiveram, com certeza, seus pontos altos — como “Lose You to Love Me”, que veio a ser seu primeiro top 1 na Billboard —  e baixos. Espera-se desse próximo registro que a cantora consiga trazer a inteligência da composição de “Bad Liar”, a sensualidade de “Fetish” e algo totalmente inesperado, pois Rare já teve obviedades demais. — Kaique Veloso

SHINee, TBA (Maio)

Depois de um retorno glorioso com o álbum Don’t Call Me e seu posterior relançamento Atlantis, os príncipes do k-pop, cientes da necessidade operacional que a ausência de um integrante faria, decidiram entrar em um curto período de hiatus que, por sua vez, irá durar somente até a dispensa militar de Taemin, peça-chave na programação artística do grupo sul-coreano. O aguardado novo retorno virá em maio, precisamente, no aniversário de estreia em que eles irão completar os seus célebres 15 anos de estrada. — Matheus José

slowthai, UGLY. (TBA)

Alegadamente já concluído, UGLY foi anunciado pelo slowthai em dezembro de 2022, por meio de um post críptico em seu Instagram. Destacando-se na cena britânica de hip-hop por sua mescla única de estilos variados, como punk e r&b, dentro de um contexto de rap, o emergente artista tem altas expectativas a cumprir, depois do lançamento do seu prévio projeto, TYRON, em 2021, que foi aclamadíssimo pela crítica inglesa. Pelo que indica “i know nothing”, o único single do álbum até então lançado, UGLY deve explorar mais profundamente o lado introspectivo da música do slowthai, sem deixar de lado as ambições políticas do artista. — Antônio Marques

Swans, The Beggar (Junho)

Entre os anos de 2012 e 2016, Swans foi uma banda que não apenas lançou álbuns que desafiavam todos os conceitos do que o Rock poderia proporcionar, como também foram os responsáveis por levar o gênero até um limite nunca antes visto através da sua fantástica trilogia de LPs que conta com The Seer de 2012, To Be Kind de 2014 e The Glowing Man de 2016. E em 2023 a banda estará de volta com The Beggar, projeto esse que é o décimo sexto da banda e segue Leaving Meaning de 2019. Pouco ainda se sabe sobre o álbum, além de algumas gravações não oficiais que podem ser encontradas no Youtube, com o vocalista Michael Gira performando versões acústicas da faixa título, e que o projeto chega até nós em algum momento do mês de Junho. Porém é seguro especular que a banda ou irá revisitar o tom hipnotizante e centrado no Folk Gótico que estavam explorando em Leaving Meaning, ou os sons avassaladores e apocalípticos explorados, principalmente, em To Be Kind— Matheus Henrique

The Cure, Songs of a Lost World (TBA)

Marcando o retorno do Cure ao estúdio após mais de uma década, Songs Of A Lost World é o primeiro álbum dos gigantes do rock gótico desde 4:13 Dream. Anunciado em 2019, e, desde então, adiado algumas vezes por culpa do perfeccionismo do líder criativo da banda, Robert Smith, Songs Of A Lost World promete resgatar a atmosfera soturna dos maiores clássicos de sua discografia. “Mais Disintegration do que Head On The Door”, anuncia Smith em entrevista, “Acho que é o melhor que já fizemos.”, uma declaração e tanto!. — Antônio Marques

The National, First Two Pages of Frankenstein (28 de Abril)

Rumores fortes apontam que a incrível banda The National deve lançar seu próximo álbum ainda este ano. Nesse sentido, também é esperado que o disco conte com a participação da cantora recém-chegada ao folk Taylor Swift na canção“The Alcott”, da já veterana e reverenciada Phoebe Bridgers nas faixas “This Isn’t Helping” e “Your Mind Is Not Your Friend”, e de Sufjan Stevens, em “Once Upon A Poolside”, um nome que sempre surge na boca do povo quando se fala de novos lançamentos folk. O primeiro single do álbum, “Tropic Morning News”, já está disponível nas plataformas de streaming. Esse será o retorno de The National desde 2019, com seu álbum I Am Easy To Find, e 2017, com as desconcertantes gravações de noites em claro em Sleep Well Beast.  — Kaique Veloso

Travis Scott, Utopia (TBA)

Travis Scott tem deixado os fãs muito curiosos sobre qual será a sua trajetória no próximo álbum denominado Utopia. O último projeto do rapper, ASTROWORLD, foi um sucesso de vendas, como um impacto cultural dentro da comunidade do rap, influenciando inúmeros trappers atuais, como por exemplo a incorporar o autotune de formas mais criativas nas suas canções. Após o incidente do Astroworld Festival no ano passado, que resultou na morte de cerca de 10 pessoas, o público está interessado em ver como o artista americano irá voltar ao cenário musical e se vai corresponder às expectativas dos fãs, que estão atualmente divididos com as recentes ações do cantor. — Gerson Monteiro 

Twice, Our Youth (Março)

2023 será um ano agitado para o grupo feminino de k-pop TWICE, com muitas atividades marcadas para as artistas para a primeira metade do ano. Uma delas é Our Youth, seu décimo segundo mini-álbum, o qual sucede Between 1&2 e será lançado em março com data ainda a ser revelada e contará com “Moonlight Sunrise”, seu segundo single em inglês, que estará disponível nas plataformas de streaming dia 20 de janeiro, data da publicação dessa lista. — Davi Bittencourt

Xiu Xiu, Ignore Grief (3 de Março)

Ano passado, Xiu Xiu comemorou seus vinte anos de existência, e nessas duas décadas, o projeto, comandado por Jamie Stewart, não apenas virou do avesso a cabeça dos fãs de música experimental, como também provou ser um grupo extremamente versátil, ao ponto de se tornarem bem difíceis de categorizar em um gênero específico. Na sua extensa discografia, que até o momento conta com dezesseis LPs, a banda já brincou com pós-industrial, noise, art-pop, rock experimental e chegaram até a lançar um projeto contendo apenas suas próprias — e arrepiantes — versões da trilha sonora da série Twin Peaks. E no dia 12 de Janeiro deste ano, um novo single foi lançado, “Maybae Baeby”, este que nos deu o primeiro gosto do décimo sétimo álbum da banda, Ignore Grief, que estará disponível no dia 3 de Março. E é seguro dizer que os fãs de algo mais aterrorizante podem começar a contar os dias para o lançamento deste novo projeto. Com um som industrial e uma atmosfera enervante, este novo single nos diz que Xiu Xiu voltará a explorar os temas de tristeza e angústia, que são bem presentes no catálogo geral da banda, porém que alcançaram um novo e assustador patamar no horripilante Girl With A Basket Of Fruit de 2019, este que parece ser o ponto de referência do grupo neste novo LP. — Matheus Henrique 

Yaeji, With A Hammer (Abril):

Através das suas redes sociais, Yaeji anunciou o seu então aguardado álbum de estreia. Dando sequência aos excelentes lançamentos que permearam a cena eletrônica alternativa do Brooklyn, With A Hammer deve sugerir um novo e excitante começo na carreira da produtora, cantora e DJ asiática-americana. O material chega após 2 EPs lançados em 2017 — um em março e outro em novembro —, e uma mixtape, WHAT WE DREW 우리가 그려왔던,  que figurou entre os melhores projetos de 2020. — Matheus José

plugins premium WordPress