SOUNDX

boy

2024 •

Arista

7.8
Boy expande o som da estreia de Luke Hemmings em canções amáveis
894783-boy_193237

boy

2024 •

Arista

7.8
Boy expande o som da estreia de Luke Hemmings em canções amáveis
08/05/2024

Luke Hemmings teve um crescimento artístico fascinante. Com o trabalho dentro da 5 Seconds Of Summer, se no início o grupo se mostrava apenas como uma boyband medíocre focada no público adolescente, os artistas foram amadurecendo seu som a partir de Youngblood, dispensando a sonoridade teen-pop com discos que tomavam uma direção pop-rock com referências new wave e synthpop em uma escolha muito inteligente dos integrantes. O álbum de 2018 era dominado de músicas apaixonantes que bebiam muito da fonte dessas influências. Os registros que vieram depois também eram aprazíveis, compilando neles algumas das suas melhores faixas, embora apresentassem certos momentos fracos. 

O ápice da excelência do vocalista da banda foi entregue, entretanto, em seus trabalhos solo. Se antes ele já havia mostrado sua visão artística intrigante, quando trabalhando sozinho conseguiu desenvolver muito melhor suas ideias fascinantes. When Facing The Things We Turn Away From, sua estreia como solista, apresentou um apaixonante pop rock com atmosfera sonhadora. Agora Luke Hemmings retorna com mais um projeto, apesar de ainda não ser seu retorno com um  segundo álbum, mas sim, um EP. Essa obra, entretanto, é mais uma ótima amostra do grande potencial do artista. 

Aqui, ele não busca fugir do que ele havia entregue na sua estreia:, a maior qualidade do mini-álbum são os momentos em que o artista expande o som de When Facing The Things We Turn Away From. As primeiras duas canções têm excelência nesse aspecto ao potencializar a energia sonhadora presente em seu álbum. “I’m Still Your Boy” traz com força as guitarras de dream pop de forma a criar uma canção apaixonante. Em seguida, com “Shakes”, o subgênero do rock alternativo é apresentado junto a um  aspecto psicodélico mais forte, tendo resultado ainda mais encantador. Já “Benny” é um pop-rock que,juntamente à música anterior, é muito influenciado pela psicodelia, entretanto aqui essas inspirações não se mostram tão fascinantes, embora ainda seja responsável, alinhados às amáveis melodias, por elaborar outra faixa adorável. 

Outro aspecto que faz o registro se destacar é na sua lírica. A principal qualidade neste aspecto é como Luke consegue expor suas dores de maneira apaixonante. “I’m Still Your Boy” parece discorrer sobre seus traumas que, hoje em dia, afetam suas relações e seu psicológico de maneira geral. Ele demonstra seus sentimentos de saudade — “You’re still in Chicago / Things that I miss” —, ou os seus vícios em álcool e drogas — “You can’t have tequila / Without half a gram” —, também, a dificuldade de controlar suas emoções é exposta aqui — “It was all right before I got angry / Make a fist holed shape in the wall”. Já “Close My Eyes” explora o arrependimento de decisões passadas e a perda de esperança, mas, acima de tudo, o artista tem medo de morrer e não ter tido tempo para consertar as suas escolhas ruins. “Watch you die in the middle” revela o cantor sofrendo e sem ânimo, porém, como canta no refrão, ele não quer se manter parado pelas vivências e situações negativas. “Now I don’t wanna close my eyes”, afirma ele.

Apesar de marcado por uma primeira metade amável, as 3 últimas músicas trazem produções com a atmosfera sonhadora e melodias simpáticas, que, no entanto, não se destacam muito por fazer a abordagem entregue no EP de maneira genérica. Embora esse problema cause com que o mini-álbum seja inferior à excelente estreia do artista em 2021, essa é uma obra que ainda deixa o ouvinte intrigado com a carreira solo de Luke. 

Esse e qualquer outro texto publicado em nosso site tem os direitos autorais reservados. 

FIQUE ATUALIZADO COM NOSSAS PUBLICAções

Assine nossa newsletter e receba nossas novas publicações em seu e-mail.

MAIS DE

plugins premium WordPress