“Somos Só”
ano 2021 • MPB/• DOBRA DISCOS
POR MATHEUS JOSÉ; 02 de NOVEMBRO de 2021

Avaliação: 4.5 de 5.
MELHOR LANÇAMENTO

Fazer uma canção resistir ao tempo e dar-lhe um significado atual é algo tanto incrível quanto puramente único. E é exatamente isso que Luiza Brina faz com Ana Frango Elétrico em “Somos Só”.

Originalmente lançada no disco A Toada Vem É Pelo Vento, de 2010, “Somos Só” soa como uma escolha perfeita para representar a comemoração de aniversário dos dez anos da obra, que por sua vez, também foi agraciada com “Back in Bahia”, faixa divulgada um mês antes e que conta com a participação do talentosíssimo Castello Branco. Além dessas, o álbum, que chega em dezembro em uma nova versão, também terá canções inéditas e regravações pelas quais Luiza e Kiko Klaus trabalharam para reviver um momento sem igual.

Arranjos de violão dão início a faixa que logo é contemplada com a leveza dos vocais de Ana e em seguida com os de Luiza, em que juntas, as vozes formam uma combinação aveludada pela leveza que os versos são descritos. “É que assim, seguimos enfim / entregues à extensão do que é não ser só / e somos só”, canta Ana momentos antes de uma surpresa acontecer. Então as melodias dedilhadas são deixadas de lado e a percussão — assinada por Marcelo Costa — assume as rédeas no mesmo instante que um registro raro da voz de Frida Kahlo recitando um poema dedicado ao seu conturbado amor pelo artista Diego Rivera.

Por se tratar de uma gravação repaginada, os destaques alcançados em “Somos Só” configuram perfeitamente ao sentido que Luiza e Ana buscam explorar. Com acréscimo de uma mensagem linda e tocada pela perspectiva íntima de um tema tão universal, só nos resta contemplar essa oportunidade tão especial e igualmente extraordinária, onde duas gerações trabalham juntas para criar um laço que tem tudo para marcar 2021 da melhor maneira possível.