2022

ENAMEL/PASSPORT SEOUL

SPACE MULAN

SPACE MULAN é um exemplo perfeito de como o K-Pop pode render bons frutos mesmo distante das grandes empresas.

8.4

MELHOR LANÇAMENTO

EM 29/06/2022

Quando lançou o seu primeiro álbum, Let’s Go To My Star, em 1999, Lee Jung Hyun sabia que estava prestes a redefinir a indústria musical sul-coreana de uma vez por todas. A artista, conhecida pelo seu estilo excêntrico e sua música vanguardista, provocou olhares distintos sobre o que era ou o que deixa de ser considerado K-pop até os dias de hoje. Passados mais de vinte anos depois, BÉBE YANA, conforme Lee Jung Hyun, surge com um projeto solo, experimental e um conflito bastante interessante: ser ou não ser tida como uma idol do K-pop. A solista, ex-integrante do EvoL, um dos grupos mais icônicos da terceira geração, teve que mudar totalmente o rumo da sua carreira em decorrência do disband que o quinteto sofreria em 2015. Após esse acontecimento, ela lançou apenas alguns singles avulsos e em seguida, desapareceu das redes sociais e da mídia.

Depois de muita especulação em 2021, ela aparece de volta aos holofotes, dessa vez, sem o nome antigo, Hayana, o qual abandonou para poder adotar BÉBE YANA, demonstrando uma vontade única de evoluir e seguir em frente nos seus próprios caminhos. E é exatamente sobre isso do que se trata SPACE MULAN, seu primeiro trabalho lançado nesta nova fase. Nele, BÉBE YANA mostra que precisou causar mudanças bruscas em si mesma para fazer aquilo que achava ser correto, de maneira parecida que a personagem Mulan, do filme da Disney homônimo, fez.

Agora, distante do meio idol, ela experimenta uma dezena de novas formações musicais, ousando e inovando dentro deste espaço tão apertado e sempre ocupado por nomes vindos das grandes empresas. Em resposta a todos os questionamentos acerca da sua jornada solo, BÉBE YANA desponta entre sons eletrizantes, uma temática futurista e letras escritas para receber inúmeras interpretações. “Gotta win this hide and seek / Hold my hands and we’ll be free”, canta ela na faixa-título, “SPACE MULAN”, embalada pela influência do UK garage como se tivesse em busca da liberdade, ideia proposta desde os minutos iniciais do disco.

Em outros momentos, o hyperpop acaba entrando na roda das diversas vertentes exploradas aqui. Indo de “GO!”, um excelente dueto futurístico com Eelittlee; passando pela abertura “1-2-3”; até chegar em “SATELLITE”, uma excepcional parceria com CHE e Yonko, que mesmo permeando um gancho acentuado do UK garage, ainda assim conta com algumas distorções e batidas diretamente ligadas ao hyperpop. Já em “IN THE BATTLE”, faixa que encerra o mini-álbum, BÉBE YANA parece optar por melodias mais comuns, embora bastante singulares no contexto do EP. Nesta altura, ela projeta um parâmetro igual ao das faixas anteriores: uma construção típica, porém, surpreendente no sentido de apresentar um refrão explosivo, uma produção cheia de detalhes à parte, e uma letra que simboliza toda abordagem conceitual da obra. Como uma guerreira, ela continua batalhando, sem pausa e descanso, lutando pelo que é seu e conquistando novos espaços, nem que para isso, seja necessário começar do zero. 

Mais textos para